Skip to content

Novas marcas de impressoras térmicas lutam para ganhar mercado com vantagens e inovações

O mercado de fabricantes de impressoras térmicas no Brasil ficou mais concentrado nos últimos 8 anos por conta de várias fusões que aconteceram no âmbito global.

Na primeira delas, em 2011, a japonesa Sato adquiriu a Argox, cuja operação mundial abrangia de forma significativa países como o Brasil, China e Índia.

Em 2013, a centenária empresa americana Honeywell, que ainda não tinha presença expressiva no mercado brasileiro, realizou a aquisição global da também americana Intermec. Dois anos depois, a mesma Honeywell comprou a Datamax O’Neil, também dos Estados Unidos. Ambas as organizações incorporadas mantinham forte presença no mercado global, inclusive no Brasil.

Com essas duas compras, a Honeywell passou a ter atuação destacada no país, alcançando uma posição pouco inferior à igualmente americana Zebra, que há vários anos vem respondendo por cerca da metade dos negócios no mercado nacional.

Já a Sato se firmou como a terceira maior força do setor. Assim, o mercado brasileiro de impressoras térmicas ficou concentrado entre essas três fabricantes: Zebra, Honeywell e Sato. Acredita-se que elas respondem por mais de 90% do mercado.

O Grupo Serwir se especializou na locação, outsourcing, treinamento e manutenção de máquinas e peças de todas as marcas, incluindo as que chegaram ao mercado recentemente, com inovações

Novas marcas querem disputar o mercado com inovações

Por conta dessa concentração, hoje existe uma clara falta de opções com relação a novos recursos e custos mais em conta no mercado nacional de impressoras térmicas.

Porém, existem esforços expressivos nesse sentido, dentro da pequena fatia reservada às demais empresas do setor.

A brasileira Elgin, por exemplo, está produzindo em Manaus impressoras com recursos inovadores da chinesa O&M, oferecendo soluções mais atraentes em termos de preço, configurações e acessórios.

Da mesma maneira, a Godex, que tem sede em Taiwan, também vem ofertando no Brasil produtos com vantagens semelhantes. O mesmo ocorre com relação a outras marcas como a Dascon, sediada em Hong-Kong, e a brasileira TOTVS Bematech.

Todavia, mesmo com a oferta de inovações expressivas, os novos players não estão conseguindo tomar espaços dos concorrentes mais tradicionais.

Ao mesmo tempo, trabalham de forma intensa para que suas soluções de abrangência global sejam rapidamente homologadas no mercado local.

Esses e outros fatores têm se revelado suficientes para neutralizar as novas marcas que chegaram com soluções mais atraentes.

Dúvidas

A Zebra, Honeywell e Sato hoje atuam com um vasto leque de produtos.

Antes das fusões, várias linhas desses produtos concorriam entre si, com apoio de representantes distintos que se responsabilizavam pela distribuição de peças, componentes e acessórios, além da assistência técnica.

Por isso, existe hoje a expectativa de que algumas linhas poderão ser priorizadas, ao passo que outras deverão ser descontinuadas.

Ao mesmo tempo, há quem duvide do fato de que essas empresas permanecerão concedendo um apoio eficaz aos produtos das organizações incorporadas, por meio de seus representantes em nível global.

Contudo, pelo menos no Brasil, ainda não se tem notícias de problemas expressivos nessa direção.

Apoio do Grupo Serwir

Para contribuir com uma maior competitividade no mercado nacional de impressoras térmicas, o Grupo Serwir se especializou na locação, outsourcing, treinamento e manutenção de máquinas e peças de todos os fabricantes, incluindo os que não fazem parte do grupo das empresas mais tradicionais.

Com isso, os seus clientes podem se servir de um amplo conjunto de soluções ofertadas pelo mercado, incluindo as mais recentes novidades em termos de tecnologia, acessórios e custos.

Notícias Relacionadas