Skip to content

Quebrando paradigmas: benefícios financeiros reais do aluguel de equipamentos

Quebrar paradigmas nem sempre é um processo simples. Se formos analisar o significado desse termo tão usado, veremos que se refere a um conjunto de normas que devem ser seguidos. Ou, como preferimos pensar, que “conceitualmente” devem ser seguidos. Isto porque toda norma deve ser repensada um dia para que se criem melhores processos, para que a tecnologia avance e as práticas dos negócios também.

Os segmentos em que a Venture atua, principalmente, o de equipamentos de impressão de códigos de barras, de mesa ou automáticos, também estão repletos de pensamentos conceituados como “verdades absolutas” que, por que não, acabam se tornando paradigmas. Mas, para cada paradigma, há um movimento contrário de questionamento e ação inovadora no sentido de: “Será que não posso rever conceitos e fazer diferente?”.

Pois é. No Grupo Venture, somos constantemente estimulados a pesquisar, pensar e renovar nossos conceitos como forma de, não somente melhorar nosso negócio, mas oferecer o melhor para nossos clientes. Por que digo isso? Porque um dos paradigmas mais comuns em nosso setor é o que se refere à compra x aluguel de equipamentos.

É aquela velha história: sempre é melhor comprar, porque, afinal de contas, depois de um tempo (e muitas parcelas) o produto se torna seu, de sua empresa, e você se vê livre de uma “dívida”. Contudo, o que queremos (e, mais importante, o que o mercado indica) é fazer você repensar alguns conceitos e, como nós, quebrar alguns paradigmas no que tange às oportunidades reais de economia e retorno de investimento que o aluguel de equipamentos traz.

Há mais de 15 anos nossa empresa opera como agente de fomento dos seus clientes em parceria com um dos maiores especialistas de financiamento na área das TI, independente do sistema bancário brasileiro e não vinculado a qualquer fabricante. Nosso agente possui 40 anos de mercado, está presente no Brasil há 10 anos e em mais de 45 localidades em 17 países europeus, tendo como parceiros de negócios mais de 12.000 revendedores.

Além da expertise no processo de Renting, somos revenda autorizada dos principais fabricantes de maquinas e equipamentos para AIDC, o que nos capacita a identificar, a partir da análise da operação do cliente, qual marca e modelo de equipamento traduz a melhor relação custo benefício para o cliente.

 

Exemplo que vem de fora

Nos países desenvolvidos a visão acerca das vantagens em alugar equipamentos de alto valor agregado, de elevado nível de depreciação e com elevado custo de manutenção que não estão ligados ao “Core Business” (Isto é, ao negócio principal) das empresas já é uma realidade. De acordo com a associação de Locação de Equipamentos – LEASEEUROPE, a locação de ativos móveis gerou na Europa um volume de novos negócios superior a EUR 232b. Com um crescimento superior a 13%. Grande parte deste volume foi gerado pelos países da Europa do Norte, França e países do Benelux.

Por que é que as empresas dos países mais desenvolvidos da Europa optam por locar os seus equipamentos em vez de comprar? As empresas da Europa já perceberam que o verdadeiro valor do seu equipamento vem do seu uso, e não da sua posse. Mesmo porque se tratam de equipamentos que têm papel importante nos processos periféricos de uma linha de produtos – aplicar uma etiqueta, capturar dados, etc.

Isto é especialmente verdadeiro para os ativos de rápida depreciação como é o caso dos equipamentos da área da tecnologia da informação (Computadores, impressoras e coletores de dados) ou de artigos da área produtiva indireta (sistemas automatizados de impressão, rotulagem e aplicação de rótulos, por exemplo).

Vantagens Financeiras

Vamos conferir, agora, algumas vantagens reais da locação de equipamentos.

  1. As taxas de juros para esta operação são mais baixas que as de captação de crédito para leasing;

  2. A captação deste tipo de crédito não compromete a análise de rating da empresa tomadora para outras eventuais aberturas de crédito;

  3. As prestações mensais são dedutíveis de IR como despesas operacionais, uma vez que se tratam de equipamentos que não serão usados para atividade fim dentro de sua empresa.

Ver Artigos 249 e 250 do Regulamento do Imposto de Renda – Decreto 3000/1999.

 

Benefícios que não vêm sozinhos!

Obviamente que as vantagens do aluguel de equipamentos não estão simplesmente na locação. Para tornar o negócio altamente vantajoso para o cliente, o Grupo Venture investe fortemente em estrutura de consultoria e suporte técnico, soluções que já estão embutidas no contrato de locação. Ou seja, o cliente não precisa se preocupar com os custos de manutenção ou despesas extras que eventualmente possam surgir e prejudicar o andamento de sua produção.

O atendimento e suporte prestado pela equipe da Venture permitem que seu time de TI esteja focado naquilo que é estratégico para sua empresa, isto é, colocar as engrenagens para funcionar. A gestão desta operação será realizada em reuniões mensais, através de relatórios e medida pelo nível de satisfação dos usuários.

Também faz parte da operação a gestão do parque de equipamentos, eventual apontamento de sub ou superdimensionamento, atualização e apontamento de demais variáveis que possam impactar no resultado.

Ganhos Reais

Entre os diversos ganhos da locação, o principal é a rentabilidade. Sim, você economizará e ganhará dinheiro! Como?

Existe uma velha regra de ouro que diz comprar recursos apreciáveis e alugar recursos depreciáveis. Em vez de empatar capital em ativos de rápida depreciação como é o caso dos computadores, impressoras, coletores de dados, etc., pode pagar o ativo ao mesmo tempo em que ganha os benefícios do seu uso. Ao pagar a despesa do renting em prestações mensais, as empresas mantêm o seu capital circulante e linhas de crédito disponíveis para as atividades que produzem lucro.

Outro benefício financeiro é o fato do renting manter a dívida da empresa fora do balanço, melhorando desse modo seus dados financeiros frente ao mercado.

Um terceiro benefício perfeitamente tangível é poder usar o equipamento sem fazer um investimento inicial. A maior parte dos métodos tradicionais de financiamento requer um montante de entrada de alguma dimensão ou até mesmo a disponibilização de garantias para acesso ao recurso. Nas compras a dinheiro a “entrada” pode atingir até 50% do valor do bem. No renting, a empresa pode adquirir o equipamento sem necessidade de efetuar qualquer tipo de entrada, beneficiar-se dele e pagar a primeira parcela 30 dias depois.

Quer mais? Então, falemos sobre a depreciação e os custos agregados! Um ativo T.I. deve ser depreciado em cinco anos enquanto que a sua vida útil é de apenas três. Na marca dos três anos, o desencontro cria um conflito interno de contabilidade. Nesta situação, a empresa será forçada a continuar usando o equipamento velho colocando-o num armazém para continuar a sua depreciação, ou aceitar uma perda contábil. Com o renting, esta situação não se aplica, pois a empresa fará corresponder o tratamento contábil proporcional à vida útil do equipamento.

Por fim,  através do renting, você pode controlar melhor as estimativas de custo e investimento na renovação de seu parque, mediante o tempo de vida útil e depreciação dos equipamentos. Pesquisas efetuadas pela Gaertner e pelo grupo de Robert Frances demonstram que substituir um item eletrônico (computador, impressora ou coletor) após três anos é mais eficiente, em nível de custos, do que mantê-lo por um período mais longo. Isto acontece porque o aumento do custo de manutenção, suporte técnico aumentam exponencialmente na medida em que o equipamento fica mais obsoleto, isso sem falar no e tempo de inatividade, parada de linha e outras paradas relativas a falhas relacionadas com o equipamento.

Os contratos de renting com opção de atualização colocam em campo um plano automático de renovação do parque locado sempre que a sua capacidade produtiva ou obsolescência for colocada em xeque.

Enquanto o hardware vai se tornando mais barato, paralelamente os custos associados à utilização do mesmo vão aumentando. Os custos de aquisição de hardware representam apenas de 20 a 25% dos custos totais da utilização do equipamento. As empresas que compram o seu equipamento invariavelmente focam a sua atenção apenas no custo de aquisição, perdendo de vista o custo total do seu ciclo de vida. Um exemplo disto são os serviços de manutenção e assistência técnica, além das peças de reposição. No caso do renting (impressoras, aplicadoras, rotuladoras ou coletores de dados) esses serviços podem estar todos inseridos nas parcelas fixas mensais, sem surpresas no decorrer do tempo do contrato.

Notícias Relacionadas